Estudando com Sentenças

Depois que terminei de estudar os Jouyou Kanji individualmente, o foco dos meus estudos mudou para sentenças, mais ou menos como o método das 10.000 sentenças popularizado pelo blog All Japanese All the Time.

A idéia é adicionar sentenças ao Anki (ou algum outro SRS) ao invés de palavras ou kanjis isolados. Apesar de o SRS ser uma ferramenta para memorização, o plano aqui não é decorar a sentença inteira para repetí-la depois. Você precisa apenas ler, compreender, e de tanto fazer isso vai acabar absorvendo a gramática e vocabulário (mas é claro, você vai precisar memorizar palavras e kanjis novos no meio do caminho para compreendê-las).

Note que trata-se apenas de ler, ler e ler em japonês, não envolve tradução de sentenças do português para japonês. Seria muito mais chato e difícil de se fazer, e além disso uma sentença pode ter várias traduções diferentes. Depois de se expor muito ao idioma, você deverá conseguir se expressar naturalmente, e não criar uma tradução para aquilo que quer expressar.

Você pode extrair sentenças de qualquer lugar: sites, livros, mangás, músicas, filmes, etc. Eu particularmente prefiro controlar o foco dos meus estudos ao invés de esperar coisas aleatórias aparecerem na minha frente. Tenho me concentrado em vocabulário e gramática da seguinte forma:

Expandindo seu vocabulário

O site que mais tenho utilizado é o Jiten.net , um dicionário baseado no EDICT que fornece sentenças de exemplo que utilizam uma determinada palavra. Sempre escolho uma palavra interessante e coleto diversas sentenças com a mesma no meu SRS. Fica mais fácil fixá-la na memória e aprender seu uso correto através de vários exemplos.

Novas palavras vem “de carona” nessas sentenças e eu sou obrigado a aprendê-las também, aumentando meu vocabulário. Quando encontro alguma mais interessante ou que eu tenha dificuldade é só repetir o processo buscando sentenças com ela. É claro que não dá para repetir isso recursivamente com todas as palavras novas de uma vez. Eu deixo anotado em um txt algumas palavras para depois, e quando já tenho muitas na fila eu me limito a adicionar apenas coisas muito interessantes.

Exemplos para aprender gramática

Acredito que a melhor forma para entender a gramática seja através de exemplos. Os livros te dão muitas regras gramaticais, mas na prática você não vai ficar parando para pensar nelas toda vez que ouvir ou falar alguma coisa. Com sentenças de exemplo você vai “sentir” a gramática correta mesmo sem saber exatamente como são essas regras.

Para encontrar sentenças tenho utilizado o JGram, que é perfeito pois a idéia do site é ensinar através de exemplos, e também o Jiten.net, que não tem uma separação de sentenças por gramática mas dá para encontrar através da busca por palavras.

Finalizando…

Se hoje eu sei algo de inglês, foi porque aprendí de tanto ler. E o meu plano sempre foi fazer o mesmo com japonês, mas a diferença agora é o uso do SRS e um estudo mais ativo e concentrado. Eu optei por estudar os kanjis primeiro, e agora ficou mais fácil adicionar sentenças do que antes. Algumas pessoas podem preferir aprendê-los dentro da sentença, mas eu acho muito difícil e demorado. Mas também foi difícil e demorado adicionar os kanjis um por um, então sei lá…

Se você tiver outras boas fontes de sentenças, por favor comente aí 🙂

Números grandes – aprenda a lidar com eles

Apesar de os números até 9.999 serem mais simples em japonês do que em português, números maiores começam a complicar. Por exemplo “cem mil”, que pra nós é 100 x 1.000, em japonês é 十万 (“juu man”) – 10 x 10.000! Dez mil já tem um “nome novo” em japonês – 万 (man) – e os números começam a se multiplicar por ele.

A partir de 10.000, há um novo nome a cada 4 dígitos:
10.000 = 万 (man)
100.000.000 = 億 (oku)
1.000.000.000.000 = 兆 (chou)
10.000.000.000.000.000 = 京 (kei)

Se você não sabe nada sobre números em japonês, clique aqui para aprender o básico primeiro. Hoje só vou dar a dica para lidar com números grandes, supondo que você já saiba os menores:

1) Encare o número como se existissem pontos separando grupos de 4 casas ao invés de 3. Por exemplo, 132.654 ficaria 13.2654

2) Agora veja o número por partes. Fica fácil ler o que está a esquerda do ponto:

13 = 十三 (じゅうさんjuu san)
13.0000 = 十三 (じゅうさんまんjuu san man)

E é só continuar lendo o resto do número, que agora é um número pequeno:

2654 = 二千六百五十四 (にせんろっぴゃくごじゅうよんni sen roppyaku go juu yon)

Juntando tudo temos:

132654 = 十三二千六百五十四 (じゅうさんまんにせんろっぴゃくごじゅうよんjuu san man ni sen roppyaku go juu yon)

Fácil? Então tente este número como lição de casa: 65498932198. Dica: começa com 654 “oku”!

ところで, escolhí este tema por um motivo especial: completamos hoje 1 milhão de visitas!
(rock)

~yasui (fácil de) e ~nikui (difícil de)

Estes são dois sufixos que se combinam aos verbos, indicando que a ação se torna mais fácil (~yasui, ~易い) ou mais difícil (~nikui, ~難い) de realizar. Se conectam aos verbos de forma semelhante ao “ます”:
使います + やすい = 使いやすい
食べます + にくい = 食べにくい
Alguns exemplos:

使いやすい ソフトウェア
Software fácil de usar.

食べ物腐りやすいです。
No verão, os alimentos estragam-se facilmente.

この飲みやすいです。
Este remédio é fácil de tomar.

この書きにくいです。
Esta letra é difícil de escrever.

その長く覚えにくいです。
O título desse livro é longo e difícil de memorizar.

納豆食べにくいです.
Natto é difícil de comer.

Forma Passiva

A forma passiva (ou voz passiva) é utilizada quando invertemos o ponto de vista de uma oração ativa, dando ênfase para quem sofre a ação. Por exemplo, “Alice comeu a maçã” ficaria “A maçã foi comida por Alice”. Em português, a voz passiva utiliza um verbo auxiliar (ser ou estar) e o verbo principal fica no particípio. Mas em japonês, o próprio verbo se flexiona e é caracterizado pelas terminações -reru ou -rareru. Temos dois tipos: a direta e a indireta:

 

Passiva Direta

Esta é a voz passiva tradicional, igual temos em português. Segue abaixo um exemplo. Se não souber ler algo, é só passar o mouse em cima (isso só funciona dentro do site, nos leitores de feed e email não!).

アリセりんご食べた (Voz ativa)
Alice comeu a maçã.
りんごアリセ食べられた (Voz passiva)
A maçã foi comida por Alice.

O agente da passiva (Alice) é marcado pela partícula . Na voz passiva direta, o sujeito ou tópico (no caso a maçã, marcada pela partícula ) sofre a ação diretamente (foi comida). Note que o verbo está no passado:
食べ (normal)
食べられる (voz passiva – detalhes de como conjugar outros verbos na tabela abaixo)
食べられ (voz passiva no passado)

 

Passiva Indireta

Neste tipo de passiva, o sujeito não é objeto e nem agente, mas é afetado indiretamente pela ação. Em japonês, esse tipo de passiva traz uma conotação negativa, coisa que não temos em português. Indica que a pessoa foi prejudicada de alguma forma pela ação. Exemplos:

ケーキ食べられた
“Minha irmã comeu-me o bolo” (e eu fiquei muito p*** com isso!)
Note que o verbo não afeta diretamente o sujeito, ou seja, a irmã não comeu a pessoa, e sim o bolo. Mas a passiva indireta dá o sentido que a pessoa foi prejudicada, como “minha irmã me deixou sem bolo” ou “a mim foi sofrida a ação de minha irmã comer (meu) bolo”.

友達来られた
“Os amigos vieram”.
Em português não dá para traduzir diretamente na voz passiva. A frase poderia ser escrita na voz ativa em japonês, mas na voz passiva ela trás o sentido que essa visita foi um incômodo de alguma forma (em português não temos isso).

降られました
Aqui também não há uma tradução direta para o português. Não falamos “fui chovido“! A forma passiva dá o sentido de que tomei chuva, fui prejudicado por isso.

 

Tabela – Conjugação na Forma Passiva

Explicar com exemplos é mais legal do que detalhar cada regra gramatical, mas também não podemos ignorar que elas existem! Abaixo coloquei uma tabela de referência para conjugação de verbos na forma passiva:

Tipo Passiva Examplo Passiva
Verbos Irregulares
する suru される sareru 勉強する benkyō suru (estudar) 勉強される benkyō sareru
来る kuru (vir) 来られる korareru
Verbos Regulares
u -われる wareru 使う tsukau (usar) 使われる tsukawareru
ku -かれる kareru 焼く yaku (assar) 焼かれる yakareru
gu -がれる gareru 泳ぐ oyogu (nadar) 泳がれる oyogareru
su -される sareru 示す shimesu (mostrar) 示される shimesareru
tsu -たれる tareru 待つ matsu (esperar) 待たれる matareru
nu -なれる nareru 死ぬ shinu (morrer) 死なれる shinareru
bu ばれる bareru 呼ぶ yobu (chamar) 呼ばれる yobareru
mu -まれる mareru 読む yomu (ler) 読まれる yomareru
ru -られる rareru 走る hashiru (correr) 走られる hashirareru
いる iru, える eru -いられる irareru, -えられる erareru 着替える kigaeru (trocar de roupa) 着替えられる kigaerareru

Tabela copiada da wikipedia

Alfabeto Japonês – Hiragana e Katakana

Hoje veremos mais detalhes sobre hiragana e katakana, os dois sistemas de escrita mais básicos dos japoneses que já foram discutidos aqui. Muitas vezes aparecem pessoas que não sabem por onde começar a aprender japonês e a minha recomendação é sempre esta: hiragana e katakana. É mais fácil do que você pensa!

Você pode aprender sozinho

Você pode aprender hiragana e katakana sem ajuda de ninguém. A maioria dos caracteres são simples, com 2 ou 3 traços! Dependendo da sua memória e força de vontade, é possível decorar todos rapidamente: eu memorizei todos os hiraganas em um único dia!

A

Olhe o caractere acima. Esta é a letra “A”, em hiragana. Você consegue memorizar sozinho, não é? São apenas três traços! Pegue um lápis agora e verá que até consegue escrevê-lo! E depois vai ver que pode fazer o mesmo com todos os caracteres!

Cada caractere é uma sílaba

De vez em quando aparece alguma pessoa me perguntando algo do tipo “como se escreve ‘B’ com letras japonesas?”. Resposta: “Você não escreve.”. O sistema de escrita japonês é diferente: cada caractere representa uma sílaba, não existem consoantes “soltas” (com exceção do “ん”). Cada sílaba pode ser escrita de duas formas: em hiragana e katakana.

Hiragana Katakana

Exemplo: sílaba “MA”, em hiragana e katakana


Por que duas formas para escrever a mesma coisa?

O Hiragana é utilizado em palavras japonesas. Já o Katakana é utilizado para escrever palavras de origem estrangeira (incluindo nomes), onomatopéias e as vezes para destacar algo no texto (que seria normalmente escrito em hiragana).

Como escrever

Existe uma ordem correta para escrever caracteres japoneses. Geralmente os traços são escritos de cima pra baixo, esquerda para direita, mas em caso de dúvida o site Yamasa Institute tem gifs animados que mostram a ordem:

A I U E O

Para treinar a escrita, aqui no site você pode criar uma planilha para prática e imprimir. Um outro pequeno detalhe é que eles seguem a ordem “a i u e o” e não “a e i o u”.

Lista

Basicamente você terá que aprender 46 caracteres diferentes em cada um dos alfabetos. Alguns caracteres podem ser modificados com pequenos tracinhos ou uma bolinha no canto, formando outros sons como você pode ver nas colunas mais a direita:

Hiragana

a i u e o    
ka ki ku ke ko ga gi gu ge go
sa shi su se so za ji zu ze zo
ta ti tsu te to da di zu de do
na ni nu ne no
ha hi fu he ho ba bi bu be bo
pa pi pu pe po
ma mi mu me mo
ya yu yo
ra ri ru re ro
wa wo
n

 

Katakana

a i u e o    
ka ki ku ke ko ga gi gu ge go
sa shi su se so za ji zu ze zo
ta ti tsu te to da di zu de do
na ni nu ne no
ha hi fu he ho ba bi bu be bo
pa pi pu pe po
ma mi mu me mo
ya yu yo
ra ri ru re ro
wa wo
n

As letras や, ゆ e よ podem ser combinadas com algumas outras letras, formando novos sons. Quando isso ocorre, elas são escritas em tamanho reduzido (ゃ, ゅ, ょ). Exemplo: り (ri) + ょ (yo) = りょ (ryo).

Listando assim pode parecer bastante coisa, mas não é. Tente começar pegando o “a i u e o” para aprender. Quando ficar fácil passe para o “ka-ki-ku-ke-ko”, e assim por diante.

Observações sobre a pronúncia

  1. GI e GI pronunciam-se “gui” de guitarra e “gue” de guerra
  2. SA, SU, SE e SO sempre prounciam-se como “SSA”, “SSU”, “SSE” e “SSO” de pássaro, susto, seis e solto
  3. JI pronuncia-se como “di” de radical
  4. CHI pronuncia-se “ti” de tia
  5. HA, HI, HE e HO possuem pronúncias semelhantes a rato, risada, rede e roupa – sempre com som de “R”
  6. RA, RI, RU, RE e RO equivalem às pronúncias de garagem, tarifa, peruca, careta e garoto.
  7. WA tem a pronúncia semelhante ao ditongo crescente “ua” de água
  8. WO pronuncia-se “o”, apesar do “w”
  9. “N” indica nasalação e constitui uma sílaba à parte
  10. JA, JU e JO pronunciam-se como “dja”, “dju” e “djo”
  11. CHA, CHU e CHO pronunciam-se como “tcha”, “tchu” e “tcho”

Observações da pronúncia copiadas do livro Aprenda Japonês Lendo Mangá

Para treinar

  • http://www.aeriagloris.com/LearnJapanese/ – um teste que te mostra um caractere aleatório e você tem que escolher entre 5 opções (pode-se deixar mais fácil reduzindo para 4 ou 3 opções). Dá pra fazer qualquer combinação: mostrar o caractere em hiragana e opções em romaji, ou mostrar o romaji e opções em katakana, etc.
  • http://www.realkana.com/practice/ – Neste você tem que escrever o caractere que aparece aleatoriamente. Você pode limitar o conjunto dos caracteres que vão aparecer (por exemplo: caso você tenha aprendido só a-i-u-e-o-ka-ki-ku-ke-ko e quiser treinar apenas com estes)

Só a ponta do iceberg…

Não gostaria de desanimar ninguém, mas a verdade é que hiragana/katakana não representa nem 1% do desafio de estudar japonês! Para ler textos japoneses também é necessário aprender cerca de 2000 kanjis, que são muito mais rabiscados além de possuírem diversas leituras e significados. Mas não se assuste com isso ainda, um passo de cada vez… Ganbatte!

Dias da Semana em Japonês

Há um bom tempo atrás escreví aqui no blog sobre datas em japonês, mas falei apenas sobre dia, mês e ano. Ficou faltando os dias da semana, que também são bastante simples: todos são formados por [algo] + 曜日 (youbi – que significa “dia da semana”).

Se você já viu um calendário japonês, deve ter notado que ao invés das iniciais “D S T Q Q S S” (Domingo, Segunda, Terça, …) temos alguns kanjis:

三月 (Março)
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31

Esses kanjis são alguns dos mais básicos e também são os elementos que combinam com “曜日” para formar os dias da semana como mostrado abaixo. Temos aí o significado e a leitura, mas clicando no kanji você pode ver mais detalhes (outras leituras, significados, outras palavras que o utilizam, etc).


Sol

Domingo

日曜日 (にちようび – nichiyoubi)
“Dia do Sol”


Lua

Segunda Feira

月曜日 (げつようび – getsuyoubi)
“Dia da Lua”


Fogo

Terça Feira

火曜日 (かようび – kayoubi)
“Dia do Fogo”


Água

Quarta Feira

水曜日 (すいようび – suiyoubi)
“Dia da água”


Árvore

Quinta Feira

木曜日 (もくようび – mokuyoubi)
“Dia da árvore”


Ouro

Sexta Feira

金曜日 (きんようび – kin’youbi)
“Dia do ouro”


Terra

Sábado

土曜日 (どようび – doyoubi)
“Dia da terra”

Para terminar, algumas curiosidades (não relacionadas a japonês):

Aula #9 – Partículas – Diferença entre は e が

As partículas têm um papel importantíssimo na língua japonesa pois elas indicam a função gramatical da palavra em uma oração. Já vimos algumas, mas resolvi fazer uma série de posts para tentar explicá-las melhor. Neste vamos ver apenas três partículas básicas:

  • Partícula – indica o tópico. Apesar de ser escrito com o hiragana は, é pronunciado “wa”. Ela é posposta a um substantivo e indica que algo vai ser falado a respeito dele.
  • Partícula – indica o sujeito da oração.
  • Partícula – indica o objeto direto

Apesar de indicarem coisas diferentes, estudantes de japonês têm dificuldades para entender a diferença entre e pois muitas vezes a tradução de uma frase fica igual, tanto com como com . Por exemplo:

(1) 中島さん りんご 食べました
(2) 中島さん りんご 食べました

O Sr. Nakashima comeu a maçã

Nos dois casos, りんご (maçã) é objeto direto marcado com o a partícula (nenhum mistério nisso). Mas em (1), o Sr. Nakashima é marcado com o e em (2), com .

Para entender essa diferença, vamos usar mais um exemplo ainda com o mesmo sentido:

(3) りんご 中島さん 食べました

Você consegue enxergar a diferença? Em todas o Sr. Nakashima comeu a maçã!

Em (2), estamos falando sobre o 中島さん (tópico). Esse exemplo poderia responder a pergunta “O que o Sr. Nakashima comeu?”
Já em (3), 中島さん é o sujeito (pois ele que comeu) mas estamos falando sobre りんご (tópico). Isso pode ser a resposta para a pergunta “Quem comeu a maçã?”

Para ficar mais claro, você pode pensar na particula de tópico como “quanto a” ou “em referência a”.

“O que o Sr. Nakashima comeu?”
“Quanto ao Sr. Nakashima, ele comeu a maçã” (2)

“Quem comeu a maçã?”
“Quanto a maçã, o Sr. Nakashima a comeu” (3)

No exemplo (1), não temos nada marcado como tópico. É simplesmente “O Sr. Nakashima comeu a maçã” mesmo. Isso poderia responder também “O que aconteceu?”.

Outro ponto importante é que a partícula marca algo que já foi introduzido na conversa ou é familiar a quem está falando e a quem está ouvindo. é utilizada quando uma situação ou acontecimento está sendo introduzido.

パウロさん 買いましたパウロさん 学生です。

Na primeira oração, Paulo-san é o sujeito e está sendo introduzido pela primeira vez. Já na segunda, ele é o tópico e adicionamos um comentário sobre ele. A partícula faz uma ligação entre essas duas orações e sabemos que na segunda estamos falando do mesmo Paulo. Em português, podemos sentir essa ligação utilizando pronomes ao invés de repetir o nome da pessoa. Por exemplo:

Paulo comprou um livro. Ele é estudante.

Podemos perceber que “Ele” se refere ao Paulo, o mesmo alí que acabamos de falar na oração anterior! Se dissermos “Paulo comprou um livro. Paulo é estudante. Paulo comeu biscoito. Paulo ‘não sei o quê!'” – isso soa como um monte de frases desconexas! Bom, em japonês repetimos o nome, mas a partícula faz essa ligação.

Como marca algo já introduzido, não poderíamos usar para perguntar “quem” ou “o que”:

りんご 食べました – Errado!
りんご 食べましたか – Ok

E a resposta segue o mesmo padrão

中島さん りんご食べました

Para finalizar, vou indicar aqui alguns links onde você pode encontrar mais sobre as partículas e :

Aula #8 – Descrevendo coisas

Este post é uma continuação da Aula #7, pois veremos que existem diferenças na ordem das palavras para descrever coisas em japonês.

Considere os seguintes exemplos:
新しい
Livro novo

レアンドロ
Livro do Leandro

先週買った
Livro que comprei semana passada

Aqui, os trechos em azul estão modificando o substantivo “livro”. Como podemos ver, em japonês a ordem é inversa ao que geralmente temos em português! (Pra variar!)

Com adjetivo

No primeiro exemplo, temos apenas o adjetivo “novo” como modificador. Já vimos nas aulas de adjetivos (i e na) que eles aparecem sempre antes do substantivo que está sendo modificado. Essa ordem não deve ser tão estranha, pois em português também podemos usar “novo livro” (se bem que o significado muda um pouco, mas é válido).

Outros exemplos:

有名な
Loja famosa

大きい
Cachorro grande

難しい質問
Pergunta difícil

Possessivo

No segundo exemplo temos a partícula の indicando posse. Se você está acostumado com inglês, essa ordem inversa não é tão estranha:

レアンドロ
Leandro's book

Podemos encadear mais coisas com の:

サンパウロ 大学 学生
Estudante da universidade de São Paulo

Achei interessante a abordagem do Vizualizing Japanese Grammar com relação à partícula の. Em português, é como um “zoom out”: começamos no elemento principal (o estudante) e vamos nos afastando para a periferia. Já em japonês é um “zoom in”: começamos de longe e nos aproximamos até chegar no estudante.

Orações

O terceiro exemplo é o mais complexo dos três: utilizamos uma oração para descrever o livro. Mas aqui a regra ainda é a mesma: modificador antes do modificado!
Simplesmente pegamos a oração inteira na forma plana e colocamos antes do elemento modificado. No exemplo temos:

Livro
先週買った
Comprei na semana passada
先週買った
Livro que comprei semana passada

Mais um exemplo:
読んでいる
Estar lendo

読んでいる
Livro que está lendo

Pra terminar e não ficar só com pedaços de frases, aqui vai um último exemplo mais completo juntando esta aula com o que foi visto na #1 e #3

この新しいですか。
はいこれ先週買ったです。日本語です。

Só abrindo um parêntese: algumas pessoas me escreveram pedindo para colocar exercícios também. É uma boa idéia, concordo que ajuda bastante quem está aprendendo. Maaas… ainda não sei como vou fazer isso, eu não sou tão criativo para ficar inventando exercícios e não sei se é legal copiar de algum livro.

Aula #7 – Ordem das palavras

Em japonês, como falei anteriormente, uma grande diferença é que o verbo é sempre jogado no final da sentença, mudando bastante o raciocínio na hora de construir frases. Mas além disso, há outras diferenças interessantes sobre esse assunto entre japonês e português. Considere o seguinte exemplo:

O gato capturou o rato.

Português - gato e rato

Temos como sujeito “O gato” e o objeto direto “o rato”. Em português, a ordem em que esses elementos aparecem na frase é muito importante. Se trocarmos de posição, o significado muda completamente:

O rato capturou o gato.

Português - Rato e gato

Em japonês não temos essa rigidez com a ordem das palavras. Só temos a regra do verbo, que é sempre no final da sentença. As partículas indicam a função gramatical e por isso podemos mudar os elementos de lugar mantendo o mesmo sentido da frase (desde que utilizadas as partículas de forma correta, é claro). Veja o exemplo (passe o mouse em cima das palavras se não souber ler):

ねずみ 捕まえました

Japonês - Gato e rato

Em japonês, a partícula marca o sujeito (猫 – gato) e , o objeto direto (ねずみ – rato). Podemos mudar de posição e a frase continua com o mesmo sentido. Porém, o foco da frase pode ficar um pouco diferente.

ねずみ 捕まえました

Japonês - Rato e gato

Por isso, preste muita atenção nas partículas! Mais alguns exemplos:

カラス とうもろこし 食べます
とうもろこし カラス 食べます

Corvos comem milho.

ドッグフード 食べさせた
ドッグフード 食べさせた

Fiz o gato comer comida de cachorro.

寿司 食べます
寿司 食べます
寿司 食べます
寿司 食べます
寿司 食べます
寿司 食べます

Eu como sushi com hashi.

As partículas dizem tudo! Utilize-as corretamente para evitar coisas como no exemplo do outro post ou o que o Hiro mandou nos comentários.

Esta aula foi baseada na unidade 2 do Visualizing Japanese Grammar.