Gestos Japoneses

70 Japanese GesturesChegou ontem um novo livro que comprei: 70 Japanese Gestures – No Language Communication. O livro é completamente ilustrado e mostra 70 gestos, desde os mais tradicionais até alguns engraçados, bizarros e ofensivos!

O livro é dividido em três capítulos: gestos gerais, gestos de insulto e gestos de crianças. Os gestos gerais são aqueles utilizados no dia a dia, como por exemplo o お辞儀, dizer sim/não, chamar, pedir calma, etc. Nos gestos de insulto, há um indicador de 0 a 5 estrelas para dar a noção de quão ofensivo é o gesto. Nos gestos de crianças tem gestos bonitinhos que também aparecem na TV e em mangás.

Eu não conhecia muito sobre gestos japoneses e achei o livro legalzinho. É interessante que os japoneses tem gestos bem esquisitos, e também alguns que são semelhantes aos que usamos no Brasil mas com significados completamente diferentes.

Vou tentar ensinar alguns aqui no blog, me baseando neste livro. Começando com a capa, que já tem um bem interessante! Você sabe o que diabos é isso? Só não vale me zoar por causa dessa foto ridícula! (^▽^)

???

Não é “diabo”, “chifrudo” nem “corno”. Tente adivinhar, a resposta está nos comentários!

Palavras relacionadas a sexo

Tire as crianças da sala! O site Pink Nihon ensina palavras e expressões relacionadas a sexo para enriquecer seu vocabulário pervertido. O site não é pornográfico, mas como tem algumas ilustrações (mesmo sendo leves) eu não recomendo abrir no trabalho!

O Pink Nihon é uma versão online do livro Japanese-English Guide to Sex, Kink and Naughtiness, que traz mais de 500 palavras. Na Amazon é possível ver uma amostra do livro, que inclui o índice (com a lista das palavras que ele contém) e também as primeiras páginas (com algumas palavras com “a”).

Alguns exemplos do livro e do site:

アダルトビデオ – vídeo pornô (Adult Video)
アダルトショップ – sex shop (Adult Shop)
アクメ – orgasmo
穴 (あな) – buraco. É uma palavra “normal”, mas também pode se referir aos buracos do corpo, se é que você me entende.
がんめんきじょう (顔面騎乗) – “montar na cara”. Pra entender melhor tem uma imagem aqui
バックから – “Por trás”
まぐろ – literalmente é “atum”, mas nesse contexto é uma mulher que não se mexe muito durante o sexo.

Aprenda Japonês Lendo Mangá

Aprenda Japonês Lendo MangáHá alguns dias eu estava querendo dar uma variada no meu material de estudo e então comprei o livro Aprenda Japonês Lendo Mangá. É uma série de 4 volumes, destinada principalmente aos fãs dos quadrinhos japoneses. Eu comprei apenas o volume 2 (não queria o mais básico e também não queria começar muito no final).

Os quadrinhos são legais e bem ilustrados, com explicações simples e leves, sem entrar em muitos detalhes gramaticais. São livros relativamente finos, pois não há a intenção de bombardear o leitor com regras gramaticais como alguns livros didáticos fazem, mas sim mostrar como a língua funciona de forma bastante agradável. Outro ponto positivo é que sendo um livro voltado para o mangá, ele aborda bastante o japonês informal.

Se você possui o livro, por favor dê a sua opinião sobre ele aí nos comentários! Assim você ajuda outras pessoas a comprar (ou não!) este livro. Se deseja comprá-lo, você pode comparar preços no buscapé.

Título: Aprenda Japonês Lendo Mangá
Autores: María Ferrer e David Ramírez
Editora JBC

70 Perguntas de Pessoas que Ensinam Japonês no Brasil

70 Perguntas de Pessoas que Ensinam Japonês no BrasilComprei o livro “70 Perguntas de Pessoas que Ensinam Japonês no Brasil” há pouco mais de um mês, mas até agora não tive tempo de escrever sobre ele aqui (e nem para o ler, na verdade). Este livro é indicado para professores ou pessoas que desejam se tornar professores de língua japonesa. O livro é organizado no formato de perguntas e respostas e tenta resolver as dúvidas e problemas mais comuns dos professores de japonês. São 70 perguntas divididas em 3 assuntos principais: conhecimento da língua japonesa, maneira de ensinar japonês e administração escolar e qualidades do professor. Todos os textos estão nas duas línguas, japonês e português.

Paguei R$35,00 na livraria Fonomag, na Liberdade (SP). Você também pode comparar os preços deste livro no Buscapé.

Título: 70 Perguntas de Pessoas que Ensinam Japonês no Brasil – O que fazer nestas horas?
Autores: Cristina Maki Endo, Leiko Matsubara Morales, Mayumi Edna Iko Yoshikawa, Takashi Miura, Yoshiko Muto
Aliança Cultural Brasil-Japão, 2007

Biblioteca da Fundação Japão

Tá aí uma ótima dica para quem estuda japonês e está em São Paulo: a Fundação Japão tem uma biblioteca dedicada à cultura e língua japonesa, contando com uma enorme quantidade de livros para estudantes de japonês, cursos em áudio e vídeo, revistas, jornais e diversos materiais bibliográficos sobre o Japão (literatura, história, artes e cultura em geral). Infelizmente ainda não tive a oportunidade de visitá-la e acho meio difícil fazer isso pois só volto para São Paulo em alguns finais de semana. Se você conhece a biblioteca, diga aí nos comments o que você acha!

Endereço: Av. Paulista, 37 – 2° andar – São Paulo
Abre de segunda a sexta das 10hs as 20hs
Mais informações no site.

Dica enviada pelo Alisson. Arigatou!

Como Dizer Tudo em Japonês

Como Dizer Tudo em JaponêsComprei ontem o livro Como Dizer Tudo em Japonês. Basicamente é um livro composto por várias expressões, organizadas por tópicos. A princípio não me parecia muito interessante comprar um livro de sentenças, sempre desprezei esses livrinhos de viagem com frases prontas. Bom, mas pelo jeito esse livro é muito mais abrangente do que isso. Além disso, andei pensando e acredito que aprender sentenças é uma boa forma para aprender a se expressar em japonês. Muitas vezes, para expressar uma mesma coisa existem formas completamente diferentes em português e japonês. Um simples “Ogenki desu ka” é um exemplo disso. Não dá pra ficar traduzindo japonês ao pé da letra, não soaria nada natural perguntar “Você está saudável?” ao invés de “Tudo bem?”. Precisamos aprender a forma que os japoneses expressam suas idéias e não é aprendendo palavras soltas que você vai conseguir isso.

Dando uma folheada no livro, achei uma frase que me chamou a atenção. Serve como exemplo para isso que estou falando, tente interpretá-la:

彼女お尻いい

Livros

Para comprar livros eu recomendo a livraria Fonomag, na Liberdade-São Paulo-SP. É uma livraria especializada em revistas e livros japoneses. Foi lá que comprei o primeiro livro que utilizei para estudar japonês: Novo Curso Básico de Japonês, de Neida Kokubo. Recomendo.

Outro livro que tenho aqui é o Kanji Pictográfico, de Michael Rowley. A idéia deste livro é ensinar Kanjis por meio de ilustrações, de forma que fique fácil lembrar sua representação gráfica. De vez em quando eu consulto este livro para tentar encontrar alguma forma de memorizar algum Kanji. Mas na verdade não gostei muito dele não.

Além desses livros também peguei emprestado do meu tio o material usado no Kumon. Não sei se são “compráveis” fora do curso e na verdade também não usei muito para poder dizer se é bom ou não, mas parece ser. Tem muuuitos exercícios. Mas quem me conhece bem sabe que essa não é a minha forma de estudar.